Help de Exames

PALAVRAS CHAVES

Colpocitologia

Exame preventivo

Papanicolau

Prevenção de câncer cervical

ÁREA

Citologia

CONDIÇÕES

- Raspado do colo uterino a nível da junção escamo-colunar (endocervical/ectocervical ou fundo de saco vaginal para paciente histerectomizadas).

INSTRUÇÕES

- Evitar duchas e lavagens vaginais, cremes e talcos vaginais (caso esteja em uso fazer ducha vaginal e aguardar 48 horas para realizar a coleta), evitar relações sexuais 24 horas antes da coleta, não colher em período menstrual.

OUTROS LABORATÓRIOS

- Laminas enviadas coradas serão realizadas como revisão de lamina.

COLETA

- O esfregaço deve ser confeccionado imediatamente após a coleta. Deve-se evitar realizar movimentos rotativos ou de vai-e-vem. O esfregaço deve ser fino, homogêneo, bem distribuído, disposto em único sentido.

- Utilizar espátula de Ayre para confecção do esfregaço. Após a confecção do esfregaço, coloca-los imediatamente no frasco com álcool comercial (94-96 graus), deixando fixar pôr no mínimo 30 minutos ou utilização do spray fixador da lâmina de Citologia Oncótica.

- Após a fixação a amostra se conserva por tempo indeterminado, desde que fixada corretamente.

CONSERVAÇÃO

- Após a fixação a amostra se conserva por tempo indeterminado.

- Não é necessário refrigerar.

COMENTÁRIOS

- A interpretação dos esfregaços baseia-se em aspectos morfológicos previamente conhecidos. Alguns aspectos morfológicos de graduação das lesões dependem (até certo ponto) de interpretação subjetiva. Principais aplicações clinicas: O exame visa detectar lesões de natureza pré-maligna e maligna do colo uterino. É possível também diagnosticar: Agentes infecciosos, tais como bactérias, fungos, parasitas e vírus; Processos proliferativos benignos; Anormalidades epiteliais benignas dos epitélios escamoso e glandular; Alterações inflamatórios crônicas e agudas; Alterações epiteliais ocasionadas por agressão ao epitélio.

PALAVRAS CHAVES

PAAF - Punção aspirativa por agulha fina

Pesquisa de células neoplásicas no líquor

Citologia de líquidos corporais e punção de órgãos.

ÁREA

CITOLOGIA

CONDIÇÕES

- Líquido pleural, Líquido ascítico, Líquido pericárdico, líquido sinovial, liquor, punções de coleções superficiais, punção de orgãos, punção de lesões císticas.

OUTROS LABORATÓRIOS

- O Pedido médico é obrigatório para a realização de exames de citologia.

- E feito sempre 4 laminas.

CONSERVAÇÃO

- Lamina: Álcool comercial.

- Liquido: Refrigerado entre 2 a 8oC até 24 horas ou em álcool a 50% em proporção igual ao volume da amostra até 7 dias a temperatura ambiente.

COMENTÁRIOS

- A interpretação dos esfregaços baseia-se em aspectos morfológicos previamente conhecidos. Podendo também ajudar no diagnóstico de patologias benignas. Alguns aspectos morfológicos de graduação das lesões dependem (até certo ponto) de interpretação subjetiva.

- Principais aplicações clinicas: O exame visa diagnosticar patologias benignas, bem como lesões pré-malignas ou malignas dos sítios anatômicos acima descritos ou provenientes de metástase de outros órgãos.

PALAVRAS CHAVES

Urocultura

ÁREA

MICROBIOLOGIA

CONDIÇÕES

- Urina e urina jato médio.

VOLUME RECOMENDÁVEL

- 4,0 mL.

INSTRUÇÕES

- Colher preferencialmente no laboratório a 1a urina da manhã ou com intervalo de 4 horas entre as micções. Fazer higiene da genitália com água e sabão, secar, desprezar o primeiro jato de urina e coletar o jato médio.

- Criança: Não utilizar pomadas no dia da coleta. Sempre que possível, colher no próprio laboratório.

- Coleta com coletor de urina infantil: somente realizada nas dependências do laboratório.

- Manter dieta hídrica habitual.

- Em caso de uso de antimicrobianos, deve-se aguardar 7 dias após o término do medicamento para realização do exame ou conforme orientação médica.

- Não passamos cateter (sonda) no cliente.

OUTROS LABORATÓRIOS

- Amostras de outros laboratórios somente serão aceitas se em tubo de coleta de urocultura.

COLETA

-A higienização da genitália é realizada com água e sabão neutro. - Nas mulheres , lavar e secar sempre de frente para trás. Nos homens lavar retraindo o prepúcio para uma adequada limpeza do meato uretral.

- Desprezar o primeiro jato e, sem interromper a micção, colher o jato médio sem encostar o frasco de coleta na região genital.

- Pode-se colher amostras de urina sem definição de jato médio em situações onde não é possível desprezar o primeiro jato, como por exemplo no caso de crianças que colhem com o uso do coletor e amostras colhidas com sonda.

- Abrir o frasco imediatamente antes da coleta.

- Não encher o frasco até a borda.

- Somente usar frascos novos e estéreis.

- No caso de crianças que necessitam do uso de coletor, o mesmo deve ser colocado após higienização adequada, e deverá ser trocado de 30 em 30 minutos, até que a criança urine. Repetir a higienização quando for trocar o coletor.

-Após a coleta, transferir a urina imediatamente e assepticamente (uso bico de Bunsen) para o tubo cônico.

CONSERVAÇÃO

- As amostras devem ser encaminhadas para o setor técnico sob refrigeração em até 6 horas após a coleta.

- A urina deverá ser refrigerada a 4oC e processada em no máximo 48h após a coleta do material.

CRITÉRIOS DE REJEIÇÃO

- Amostras enviadas fora do prazo de preservação.

- Amostras de urina de 1o jato e urina 1o jato após massagem prostática enviadas por laboratórios conveniados.

COMENTÁRIOS

- Aplica-se no diagnóstico de infecções microbianas no trato urinário, identificação dos microrganismos e teste de sensibilidade aos antibióticos.

PALAVRAS CHAVES

Cultura de fezes

Cultura de fezes com antibiograma

Cultura para enteropatógenos

ÁREA

MICROBIOLOGIA

CONDIÇÕES

- Fezes recentes ou swab anal (para cultura de enteropatógenos).

VOLUME RECOMENDÁVEL

- 2 gramas.

QUESTIONÁRIO

- Informar idade do paciente.

- Informar presença de sangue e/ou de pus nas fezes.

INSTRUÇÕES

-Colher fezes recém excretadas antes da administração de antimicrobianos.

- A positividade das coproculturas é maior quando a amostra é colhida nos primeiros dias da doença.

- No caso de fezes coletadas em casa a amostra deve ser mantida em temperatura ambiente e a entrega no laboratório deve ocorrer em no máximo 2 horas. As unidades devem colocar as fezes em meio de transporte Cary Blair antes de encaminhar ao setor.

OUTROS LABORATÓRIOS

- Enviar fezes recentes apenas em meio de transporte Cary Blair.

- A idade do paciente deve ser obrigatoriamente informada pelo laboratório conveniado, bem como a presença de sangue e/ou de pus nas fezes.

COLETA

- Fezes: colher porção de 1 a 2 gramas, preferencialmente com muco, pus ou sangue, no meio de Cary Blair.

- Swab anal: inocular o swab anal no meio de transporte Cary Blair.

CONSERVAÇÃO

- Até 2 dias refrigerado entre 2 e 8 oC em meio Cary Blair.

CRITÉRIOS DE REJEIÇÃO

- Fezes "in natura" ou sem o meio Cary Blair recebidas de laboratórios conveniados.

COMENTÁRIOS

- A cultura de fezes identifica microrganismos enteropatogênicos em casos de diarreia aguda ou crônica. São consideradas indicações de coprocultura: diarreia sanguinolenta, febre, tenesmo, sintomas severos e persistentes, presença de leucócitos fecais e história de exposição a agentes bacterianos.

PALAVRAS CHAVES

Cultura bactérias aeróbias

Cultura geral

Espermocultura

ÁREA

MICROBIOLOGIA

CONDIÇÕES

- Feridas superficiais (furúnculos, úlceras, fístulas, abscessos drenados, mordidas e picadas de animais, úlceras de decúbito), escarro, esperma, secreções genito-urinárias, secreção nasal, secreção de nasofaringe, secreção de orofaringe, secreção conjuntival, líquidos corporais, secreções diversas, raspado de lesões de pelo, unha, couro cabeludo, secreção mamária e fragmento de tecido. Outros materiais poderão ser analisados após a devida avaliação.

VOLUME RECOMENDÁVEL

- Escarro: 5 a 10 mL.

- Esperma: todo o volume coletado.

- Líquor: acima de 1 mL.

- Lavado brônquico e outros líquidos corporais: 5 a 10 mL.

INSTRUÇÕES

- Lentes de Contato / Ocular:

- As culturas deverão ser coletadas antes da aplicação de antibióticos, soluções, colírios ou outros medicamentos.

- Desprezar a secreção purulenta superficial e, com swab colher o material da parte interna da pálpebra inferior.

- Identificar corretamente a amostra e enviar imediatamente ao laboratório, evitando a excessiva secagem do material.


- Escarro:

- A coleta de escarro deve ser feita em casa. Colher preferencialmente de manhã ao se levantar, antes da higiene

PALAVRAS CHAVES

Cultura Vaginal

Cultura do Endocérvice

Cultura para estreptococos do grupo “B”

ÁREA

MICROBIOLOGIA

CONDIÇÕES

A seleção de materiais genitais, bem como sua coleta adequada, são fatores importantes na interpretação das culturas deste tipo de material, uma vez que estes possuem uma quantidade grande de microrganismos comensais.

INSTRUÇÕES

- Preparo da paciente:

- Recomenda-se:

- Não estar menstruada

- Evitar ducha e cremes vaginais na véspera da coleta

- Três dias de abstinência sexual


- Coleta Vaginal:

- Inserir um espéculo (sem lubrificante; usar água morna) na vagina.

- Retirar o excesso de muco cervical com swab de algodão.

- Inserir os swabs indicados, rodar por alguns segundos sobre o fundo do saco, retirar e voltar aos meio de transporte para cultura.


- Coleta endocervical:

- Inserir um espéculo (sem lubrificante) na vagina e retirar o excesso de muco cervical com swab de algodão.

- Inserir os swabs indicados no canal endocervical até a ponta do swab não ser mais visível, rodar por alguns segundos, retirar evitando o contato com a parede vaginal, e voltar aos meio de transporte para cultura.


- DIU (Dispositivo Intra-Uterino):

- Deve ser removido pelo médico evitando-se contaminação cervical ou vaginal. Coloque todo o DIU dentro de um recipiente estéril para ser transportado para o laboratório.


- Detecção de estreptococos do grupo “B” em mulheres:

- Culturas cervicais não são aceitáveis e não se devem utilizar espéculos. Sugere-se coleta com swab do intróito vaginal e outro do orifício anorretal. Os swabs devem ser colocados em meios de transporte.

CONSERVAÇÃO

- Todo material deve ser colocado em meio de Stuart e conservado em temperatura ambiente até 48 horas.

CRITÉRIOS DE REJEIÇÃO

- Swabs enviados a seco quando o envio em meio de transporte Stuart é obrigatório.

- Amostras enviadas fora do prazo de conservação.

- Amostras enviadas em recipientes não estéreis.

PALAVRAS CHAVES

Bacterioscopia - Gonococos

Associacao fuso espiralar, Pesquisa

Gardnerella, Gardnerela, Pesquisa

Neisseria, Pequisa

Mobiluncus, Pesquisa

Cocos, Pesquisa

Haemophilus

ÁREA

MICROBIOLOGIA

CONDIÇÕES

- Qualquer material de região suspeita de infecção por microorganismos que se corem pelo método de Gram.

- Em caso de amostras de urina, este deverá ser utilizado apenas no caso de Urina PRIMEIRO JATO, pois a mesma é submetida a centrifugação durante confecção do esfregaço.

VOLUME RECOMENDÁVEL

- 2 esfregaços da amostra coletada.

- Fezes: 1/3 do frasco de coleta de fezes.

- Em caso de amostras líquidas: 2 mL.

INSTRUÇÕES

- Sempre especificar o tipo de material e o local da coleta.

Várias pesquisas como as da Gardnerella, Neisseria, Gonococos, Mobiluncus, Fungos, associação fuso-espiralar, dentre outros, podem ser solicitadas através do Gram.

- Criança: Sempre que possível, colher no próprio laboratório tomando cuidados especiais com a assepsia.

Coleta com coletor de urina infantil: somente realizada nas dependências do laboratório.

- Coleta uretral: Vir para a coleta, preferencialmente pela manhã sem urinar, ou estar sem urinar há pelo menos 4 horas.

- Coleta vulvar: Vir para a coleta, preferencialmente pela manhã sem urinar, ou estar sem urinar há pelo menos 4 horas;

- Não ter relação sexual nas últimas 24 horas anteriores ao exame.

- Coleta em Vagina, fundo de saco vaginal, colo uterino e canal endocervical: A paciente não deverá ter feito ducha vaginal nas 24 horas anteriores ao exame;

- Não fazer uso de desinfetantes ou medicações tópicas (caso estiver, aguardar 48 horas após o término);

- Não manter relação sexual nas últimas 24 horas anteriores ao exame;

- O paciente não deve realizar exame ginecológico com o uso de iodo ou ácido acético nas últimas 24 horas;

- Não estar menstruada (caso estiver, aguardar 48 horas após o término da menstruação).


- Esperma:

- Realização da Coleta:

- Nas dependências do laboratório ou em casa.

- Não realizamos coleta aos domingos e feriados.

- Não necessita de abstenção / abstinência de ejaculação.


- A forma de coleta do material é por masturbação, sem que haja perda do material, diretamente no frasco estéril, não utilizar preservativos ou coito interrompido, lavar mãos e genitália antes da coleta. Não utilizar qualquer tipo de lubrificante, nem mesmo saliva ou preservativos.

OUTROS LABORATÓRIOS

- Enviar os esfregaços confeccionados em lâminas limpas e desengorduradas.

COLETA

- Colher a amostra de forma asséptica, com os mesmos cuidados da cultura. Preparar pelo menos dois esfregaços em lâminas limpas e desengorduradas.

- Os esfregaços devem ser feitos com movimentos circulares, a partir do centro da lâmina e de forma homogênea. Deixar secar ao ar e, após a fixação pelo calor brando, protegê-los para transporte.

- Fixação: Passar o esfregaço rapidamente 3 a 5 vezes sobre o fogo do bico de Bunsen. A lâmina com o esfregaço deve ser passada rapidamente sobre a chama para que não se desidratem as células, o que pode prejudicar a correta identificação dos elementos.

CONSERVAÇÃO

- Até 48 horas para fezes, escarro, esperma e líquidos corporais encaminhadas em frasco estéril entre 2 a 8ºC, nos casos em que a refrigeração não comprometa exames solicitados concomitantemente na mesma amostra.

- Amostras de biópsia devem ser enviadas em solução salina estéril ou soro fisiológico estéril em até 48 horas sob refrigeração.

- Até 14 dias em esfregaços fixados e protegidos.

CRITÉRIOS DE REJEIÇÃO

- Amostras enviadas fora do prazo de preservação.

- Amostras de urina jato médio.

COMENTÁRIOS

- O exame bacteriocópico através da coloração de gram permite um estudo acurado das características morfotinturiais das bactérias e outros elementos (fungos, leucócitos, outros tipos celulares, etc). Presta informações importantes e rápidas para o início da terapia, fornecendo informações semiquantitativas em algumas infecções e estabelecendo o diagnóstico em muitos casos.

PALAVRAS CHAVES

Bacilo de KOCH, Pesquisa ZIEHL, Baciloscopia

Micobactéria, Pesquisa BK, Pesquisa Tuberculose, Pesquisa

Bacilo Álcool Ácido Resistente, Bacilo da tuberculose.

ÁREA

MICROBIOLOGIA

CONDIÇÕES

- Escarro, lavado brônquico, aspirado transtraqueal, secreções de feridas, punção de linfonodos, abscessos, medula óssea, líquidos corporais (líquor, líquido pleural, líquido ascítico ou peritoneal, líquido sinovial, líquido pericárdico, líquido aminiótico), urina, esperma, secreção uretral.

VOLUME RECOMENDÁVEL

- Escarro: 5 a 10 mL.

- Urina: todo volume após desprezar o primeiro jato urinário.

- Lavado brônquico: 5 a 10 mL

- Outros líquidos corporais: 5 a 10 mL.

- Líquor e esperma: acima de 1 mL.

- Secreção uretral: 02 lâminas (confeccionar no momento da coleta).

TEMPO DE JEJUM

- Jejum obrigatório de 8 horas para o material lavado gástrico.

INSTRUÇÕES

- Não realizamos a coleta dos materiais de medula óssea, lavado, aspirado, líquidos corporais pois trata-se de um procedimento médico.

- A coleta de escarro deve ser feita em casa.


- Escarro expectorado:

- Colher idealmente de 5 a 10 mL em 2 amostras colhidas em dias consecutivos. Colher preferencialmente em sala aberta e bem ventilada. Colher preferencialmente pela manhã, ao se levantar e antes do desjejum. Lavar várias vezes a boca com água pura, gargarejando e bochechando abundantemente. Qualquer secreção nasal ou saliva, deve ser eliminada. Fazer várias inspirações profundas e tossir várias vezes, procurando obter o material do fundo do peito.


- Escarro induzido:

- Lavar vigorosamente toda a boca com uma escova de dentes e salina a 0,85% por 5 a 10 minutos, não usar pasta dental. Fazer nebulização com salina hipertônica a 3%. A inalação profunda desta salina resultará na acumulação osmótica de fluido e na irritação da árvore brônquica, com subsequente tosse e expectoração do conteúdo broncoalveolar.


- Urina:

- Realizar higiene íntima com água.

- Desprezar o 1º jato urinário (primeiros 10 a 15 mL), visando minimizar a contaminação (flora uretral saprófita alcool-ácido resistente).

- Em seguida, colher todo o restante de urina da primeira micção da manhã (mínimo de 40mL) em frasco limpo de boca larga. Quando solicitado mais de uma amostra, colher em dias consecutivos (sugere-se um mínimo de três e máximo de seis amostras).

- Não aceitamos amostras de urina de 24 hs.


-Esperma:

- Realização da Coleta:

- Nas dependências do laboratório ou em casa.

- Não realizamos coleta aos domingos e feriados.

- Não necessita de abstenção / abstinência de ejaculação.

- A forma de coleta do material é por masturbação, sem que haja perda do material, diretamente no frasco estéril, não utilizar preservativos ou coito interrompido, lavar mãos e genitália antes da coleta. Não utilizar qualquer tipo de lubrificante, nem mesmo saliva ou preservativos.

COLETA

- Usar frascos limpos e descartáveis. Toda amostra, sujeita a ressecamento deve ser protegida com o acréscimo de soro fisiológico estéril ou agua destilada.

- Pus e secreções purulentas, aspirado de gânglios e de tumores: Quando provenientes de cavidade fechada são coletados através de punção em procedimento exclusivamente médico.

- Quando o material é de cavidade aberta, geralmente é coletado através de um swab, com cuidados especiais de não tocar nas bordas.

- Neste caso, deve-se descarregar o swab em água destilada ou salina estéreis.


- Líquidos Corporais:

- Nos casos de líquidos sanguinolentos, coletar em tubo contendo anticoagulante heparina para evitar que o bacilo fique preso na rede de fibrina.


- Medula Óssea:

- A amostra deve ser colhida com anticoagulante (SPS ou Heparina).


- Esperma:

- Colher em tubo estéril.

- Quando o médico solicitar mais de uma amostra, coletar e enviar a amostra do dia. Não esperar acumular as amostras para enviá-las juntas.

CONSERVAÇÃO

- Escarro: enviar em até 06 horas a temperatura ambiente ou 3 dias entre 2 e 8 ºC e protegido da luz solar em frasco próprio para coleta de escarro.

- Medula óssea: até 1 dia em temperatura ambiente. Nunca refrigerar.

- Demais amostras: enviar em até 06 horas a temperatura ambiente ou 1 dia entre 2 e 8 ºC e protegido da luz solar. -Obs.: Enviar líquidos corporais (líquor, líquido pleural, líquido ascítico ou peritoneal, líquido sinovial, líquido pericárdico, líquido amniótico) preferencialmente em tubo de transporte para evitar derramamento durante o transporte.

CRITÉRIOS DE REJEIÇÃO

- Amostras com ressecamento.

COMENTÁRIOS

- As micobactérias são bacilos álcool-ácido resistentes, os quais são circundados por uma parede celular hidrofóbica, e que resistem a descoloração causada pelas misturas de álcool-ácido usadas na identificação. A pesquisa é usada no diagnóstico das infecções causadas por micobactérias (Tuberculose e outras formas de infecções), além de auxiliar na monitorização de pacientes em tratamento com antimicobacterianos. Mesmo com os grandes avanços tecnológicos dos últimos anos, a pesquisa por bacterioscopia para BAAR ainda representa um recurso importante para a detecção precoce e monitoramento terapêutico.

PALAVRAS CHAVES

Bacilo alcool acido resistente

Bacilo de Hansen

Mycobacterium leprae

Hanseniase pesquisa

ÁREA

MICROBIOLOGIA

CONDIÇÕES

- Lóbulo de orelha, dobra de cotovelo, lesões ativas de pele ou áreas dormentes indicadas pelo médico.

VOLUME RECOMENDÁVEL

- 02 lâminas com quatro ou cinco esfregaços em cada uma (sítios informados no item coleta).

INSTRUÇÕES

- Este exame destina-se exclusivamente aos casos em que há a pesquisa de BAAR referente à Hanseníase.

COLETA

- Colher sempre independente do pedido: lóbulos de orelha e dobras de cotovelos, fazendo os esfregaços na mesma lâmina.

- Limpar o local com algodão contendo alcool a 70%. Fazer uma prega na pele com pressão e mantê-la firme com uma pinça hemostática, para que momentaneamente o sangue não irrigue a região . Esperar alguns segundos e, com o auxílio de um bisturi ou microlanceta, fazer uma micro incisão superficial de 5 mm de extensão e 3 mm de profundidade e raspar a a área da incisão com o lado não cortante do bisturi.

- Desfazer a pressão somente após ter a garantia de que o material é adequado. (Só o raspado celular, sem sangue).

- Fazer esfregaços através de movimentos circulares, usando o próprio bisturi utilizado na coleta.

- Se fluir sangue durante a coleta, enxugar com algodão seco, esperar a hemostasia, realizar novo pinçamento e repetir a coleta em outro local.

- Observação: Sangue misturado ao material interfere no resultado, dificultando a visualização da bactéria.

- A mucosa nasal é um dos locais mais importantes de eliminação da bactéria, porém é o local menos sensível e específico, não sendo recomendado. Caso o médico peça a coleta neste local, orientar que o ideal é colher a amostra nos lóbulos.

- Caso haja lesão ativa, colher um raspado local (independente do pedido médico).

- Se o cliente tiver alguma mancha, uma das coletas devera ser substituída pela mesma. Por exemplo, se o cliente tiver uma mancha do lado direito, colher nesta mancha, no cotovelo esquerdo e nos dois lóbulos.

- Forma de identificação das lâminas: LD, LE, CD, CE e L. A identificação da lâmina com o posicionamento dos locais de coleta é muito importante no momento de confecção dos esfregaços. A lâmina de vidro deve ser identificada com as iniciais do nome do cliente.

- Deve-se fazer a identificação na seguinte ordem de coleta: Primeiramente os lóbulos direito (LD) e esquerdo (LE), em seguida os cotovelos direito (CD) e esquerdo (CE) e depois da lesão (L), caso seja presente.

- É importante delimitar a área na lâmina em que o esfregaço foi feito, para facilitar o momento da coloração e visualização da lâmina. Todas as identificações das lâminas devem ser feitas com pincel de retroprojetor e no lado oposto ao esfregaço. Caso haja mancha e algum dos cotovelos for substituído, identificar a lâmina usando (M).

- Os esfregaços devem ser confeccionados no ato da coleta, fixados pelo calor brando e transportados em recipiente de plástico rígido, próprio para transporte de lâminas.

CONSERVAÇÃO

- Acondicionar as lâminas em recipiente de plástico rígido, próprio para transporte de lâminas.

CRITÉRIOS DE REJEIÇÃO

- Contaminação com sangue nos esfregaços realizados para hanseníase.

COMENTÁRIOS

As micobactérias são bacilos álcool-ácido resistentes, os quais são circundados por uma parede celular hidrofóbica, e que resistem à descoloração causada pelas misturas álcool-ácido usadas na identificação. O Micobacterium leprae é um parasita intracelular obrigatório e que apresenta afinidade por células cutâneas e por células dos nervos periféricos. O bacilo se desenvolve bem à temperatura geralmente em torno de 35 °C, o que explica sua localização preferencial em regiões anatômicas com temperaturas mais baixas, como nariz e regiões onde os nervos se encontram muito próximos à pele. Por isso a importância no processo de coleta do material. Vale ressaltar que a coleta de linfa não é um procedimento correto, pois a linfa é um fluido que não apresenta células. Uma coleta adequada consiste na retirada de material presente em quatro sítios específicos, conforme descrito anteriormente.

PALAVRAS CHAVES

Micoplasma hominis

Mycoplasma hominis

Ureaplasma urealyticum

ÁREA

MICROBIOLOGIA

CONDIÇÕES

- Secreção uretral, secreção vaginal, swab endocervical.

QUESTIONÁRIO

- Informar uso de antibióticos e medicações tópicas.

INTERFERENTES

- Uso de antibióticos e medicações tópicas.

INSTRUÇÕES

- Aguardar 7 dias após o uso de antibióticos ou conforme orientação médica.

- Coleta uretral: Vir para a coleta, preferencialmente pela manhã sem urinar, ou estar sem urinar há pelomenos 4 horas.

- Coleta vulvar: Vir para a coleta, preferencialmente pela manhã sem urinar, ou estar sem urinar há pelomenos 4 horas;

- Não usar desinfetantes ou medicações tópicas (caso esteja em uso, aguardar 48 horas após o término);

- Não realizar higiene/banho no dia da coleta;

- Não ter relação sexual nas últimas 24 horas anteriores ao exame.

- Coleta em Vagina, fundo de saco vaginal, colo uterino e canal endocervical:

- A paciente não deverá ter feito ducha vaginal nas 24 horas anteriores ao exame;

- Não fazer uso de desinfetantes ou medicações tópicas (caso estiver, aguardar 48 horas após o término);

- Não deve ter feito exame ginecológico com o uso de iodo ou ácido acético nas últimas 24 horas;

- Não estar menstruada (caso estiver, aguardar 48 horas após o término da menstruação).

COLETA

- O micoplasma possui uma forte afinidade pelas membranas mucosas, por isso é importante retirar o excessode secreção, obtendo também células.

- Nos casos de pedidos com solicitações de vários exames, recomendamos colher primeiro os exames direto afresco, gram, cultura para germes banais, etc; deixando a coleta do Micoplasma/Ureaplasma para ser colhidano final, juntamente com a coleta de Gonococos e Clamídia. Preferencialmente, seguir esta ordem de coleta.

- Secreção vaginal, em pacientes não virgens: Passar o espéculo vaginal, tirar todo o excesso de secreção comgaze estéril e colher a amostra esfregando o swab contra a parede do fundo de saco vaginal.

- Secreção endocervical: Antes de se inserir o espéculo, certificar-se de que a paciente não é virgem ou de quenão está grávida. Passar o espéculo, tirar todo o excesso de secreção do canal cervical com gaze estéril ecolher a amostra esfregando o swab na endocérvice.

CONSERVAÇÃO

- - Swabs podem ser armazenados por 4 horas a temperatura ambiente (15 a 30 °C) ou 24h refrigerados (2 a 8°C). Não congelar.

- O gênero da Chlamydia é composto por duas espécies que causa infecção humana: C. trachomatis e C. pneumoniae.

COMENTÁRIOS

Os micoplasmas são os menores organismos de vida livre conhecidos. Trata-se de uma bactéria sem paredecelular, não sendo susceptível a antibióticos beta-lactâmicos e não se corando ao gram. Sua culturaestá indicada no diagnóstico de uretrite não-gonocócica, pielonefrite, doença inflamatória pélvica e febrepuerperal.

PALAVRAS CHAVES

Clamídia tracomatis

Clamydia

Chlamydia trachomatis

CONDIÇÕES

- Raspado uretral, endocervical, conjuntival, ocular e pus de bubão inguinal.Obs.: Amostras vaginais e de fundo de saco vaginal podem ser aceitas a critério clínico e em situaçõesespeciais (pacientes histerectomizadas e crianças).

QUESTIONÁRIO

- Informar uso de antibióticos e medicações tópicas.

INTERFERENTES

- Uso de antibióticos e medicações tópicas.

INSTRUÇÕES

- Coleta uretral: Colher, preferencialmente, pela manhã sem urinar ou estar sem urinar há pelo menos 4horas.

- Não usar desinfetantes ou medicações tópicas (caso esteja em uso, aguardar 48 horas após o término);

- Não realizar higiene/banho no dia da coleta;

- Não ter relação sexual nas últimas 24 horas anteriores ao exame.

- Coleta em fundo de saco vaginal, colo uterino e canal endocervical:

- A paciente não deverá ter feito ducha vaginal nas 24 horas anteriores ao exame;

- Não fazer uso de desinfetantes ou medicações tópicas (caso estiver, aguardar 48 horas após o término);

- Não manter relação sexual nas últimas 24 horas anteriores ao exame;

- Não deve ter feito exame ginecológico com o uso de iodo ou ácido acético nas últimas 24 horas;

- Não estar menstruada (caso estiver, aguardar 48 horas após o término da menstruação).

COLETA

- As Chlamydias são exclusivamente intra-celulares. O material adequado é o raspado celular e não asecreção.

- A coleta da Chlamydia deverá ser feita em último lugar, pois, enquanto coletamos as amostras para osdemais exames no mesmo sítio corporal (quando solicitadas no pedido médico), estaremos automaticamentefazendo a assepsia necessária para uma coleta correta.

- Usar swab estéril;

- Antes da coleta da amostra, remover o excesso de muco da área endocervical com uma gazes ou algodão.Inserir o swab no canal cervical, além da junção escamocolunar, inserir completamente. Isso permitirá aaquisição de células epiteliais cuboidal, principal reservatório da Chlamydia. Gira o swab firmemente por 15 a20 segundos em uma única direção, sem contaminá-lo com células exocervical ou vaginal.

- Alternativa, as amostras endocervicais podem ser coletadas cm escova de citologia (Atenção: não utilizarescovas esfoliativas de citologia em pacientes grávidas

CONSERVAÇÃO

- Até 12 horas em temperatura ambiente em meio de transporte.

- Até 1 dia refrigerado entre 2 e 8 ºC em meio de transporte.

COMENTÁRIOS

Os micoplasmas são os menores organismos de vida livre conhecidos. Trata-se de uma bactéria sem paredecelular, não sendo susceptível a antibióticos beta-lactâmicos e não se corando ao gram. Sua culturaestá indicada no diagnóstico de uretrite não-gonocócica, pielonefrite, doença inflamatória pélvica e febrepuerperal.

PALAVRAS CHAVES

Cultura Micológica Fungos filamentosos

ÁREA

- MICROBIOLOGIA

CONDIÇÕES

- Raspado de lesões de pele, unhas, pêlos, secreções de feridas, escarro, lavado brônquico, mini BAL, líquor, líquidos corporais, punção de linfonodos, biópsia de lesões.

- Não processamos próteses mamárias de silicone.

QUESTIONÁRIO

- Informar uso de antibióticos e medicações tópicas.

VOLUME RECOMENDÁVEL

- Escarro: 5 a 10 mL.

- Lavado brônquico e outros líquidos corporais: 5 a 10 mL.

- Líquor: acima de 1 mL .

INSTRUÇÕES

- Lentes de Contato:

- Informar ao cliente que nos casos de cultura de lente de contato a mesma não será devolvida. Importante: Não serão realizadas culturas em amostras de soro fisiológico ou em produtos utilizados para limpeza e armazenamento de lentes de contato.

- Não realizamos a coleta dos materiais, lavado brônquico, líquidos corporais, punção de linfonodos e biópsia, pois trata-se de um procedimento médico.

- A coleta de secreção em ouvido, deve ser realizada pelo médico.

- A coleta de escarro deve ser feita em casa (não é colhida nas dependências do HP).

- Escarro: Colher preferencialmente em sala aberta e bem ventilada. Colher preferencialmente pela manhã, ao se levantar e antes do desjejum. Lavar várias vezes a boca com água pura, gargarejando e bochechando abundantemente. Qualquer secreção nasal ou saliva, deve ser eliminada. Fazer várias inspirações profundas e tossir várias vezes, procurando obter o material do fundo do peito.

- Pele, pelos e unhas:

- Não estar em uso de antifúngico (tópico: aguardar 15 dias e oral: aguardar 30 dias ou conforme orientação médica).

- Pomadas e cremes comuns (lavar e realizar a coleta no dia seguinte).

- Esmalte (retirar e voltar após 3 dias para a coleta).

- Unha com limpeza em manicure e pedicure (aguardar 15 dias).

- Não tomar banho no dia da coleta.

- Não lavar o couro cabeludo e região da barba no dia da coleta.

- Sempre que possível, orientar o paciente a lavar e secar os pés no dia anterior a coleta e ir ao laboratório com calçado fechado.

- Sempre que possível, informar a suspeita médica para direcionar melhor a pesquisa.

OUTROS LABORATÓRIOS

- No caso de amostras de secreção vaginal, secreção de orofaringe, secreção endocervical, secreção uretral, fezes, urina 1º jato, urina jato médio e esperma, mesmo que a solicitação médica seja de cultura para fungos, o exame a ser realizado é a cultura para Cândida.

COLETA

- Secreções:

Colher, o máximo de material possível, com swab e colocar no meio de transporte Stuart.


- Pele:

-Lesões secas e descamativas: raspar delicadamente nas bordas das lesões, com o auxílio de um bisturi e recolher o material em placa de Petri. Se as bordas não estiverem bem definidas, raspar toda a lesão.

-Raspar as lesões mais recentes quando estas forem múltiplas. Procurar obter o máximo de material possível.

-Lesões não descamativas: raspar as lesões com um bisturi para soltar as escamas da pele e em seguida, passar um swab umedecido em salina nas lesões previamente raspadas, lavando o swab no frasco de salina até a formação de uma suspensão. Neste caso, encaminhar somente a salina.

-Lesões suspeitas de Ptiríase versicolor (lesões esbranquiçadas): colher o raspado das lesões em placa de Petri ou em outro frasco.


- Lesões vesiculosas: obter fragmentos de vesículas através do uso de bisturi e colocá-los em placa de Petri juntamente com o raspado (lesões comuns na região plantar). Notando a presença de grânulos, colha-os em salina estéril juntamente com a secreção purulenta.


- Pêlos:

- Colher os pêlos com auxílio de uma pinça preferencialmente das bordas das lesões. Procurar retirar os pêlos tonsurados de morfologia alterada juntamente com a raiz. Raspar também as áreas descamativas do couro cabeludo, principalmente nas bordas das lesões (área de alopécia) e colocar junto com os pêlos na placa de Petri.


- Unhas:

- Realizar assepsia com álcool 70% nas unhas dos pés (somente nas unhas dos pés).

- Lesões subungueais: Com o auxílio de uma cureta, realizar um raspado da placa subungueal afetada, da borda da unha até a região mais interna, coletando as escamas mais profundas. Deve-se raspar até a região limite entre a parte da unha saudável e a parte acometida, recolhendo o material em placa de Petri.

- Lesões supra-ungueais: raspar com bisturi a placa esbranquiçada aderida na superfície da unha e recolher o material em placa de Petri.

- Unhas distróficas (formas alteradas): podem ser retiradas com auxílio de alicate (cortar a unha somente quando estiver distrófica).

- Em caso de paroníquia (inflamação na região da cutícula): colher as escamas da prega periungueal e se possível pressionar as bordas ungueais, colhendo o material purulento presente entre a prega subcutânea e a unha, em salina estéril.


- Secreção de orofaringe:

- Colher, preferencialmente, antes do desjejum e da higiene oral. Usando foco de luz, abaixar a língua do paciente. Introduzir o swab diretamente na área da coleta, evitando tocá-lo em outras partes da boca. Inserir swab no meio de transporte Stuart e enviar em temperatura ambiente por no máximo 48hs.

CONSERVAÇÃO

- Biópsia: até 2 dias, refrigerado entre 2 e 8 ºC. Conservar em salina estéril, não enviar em álcool ou formol.

- Líquor: em tubo estéril, até 1 dia em temperatura ambiente.

- Outros líquidos corporais (sinovial, pleural, ascítico, peritoneal, pericárdico): em tubo estéril, até 1 dia refrigerado entre 2 e 8 ºC.

- Aspirado traqueal, lavado brônquico, mini BAL: até 24 horas refrigerado entre 2 e 8 ºC.

- Pele, pêlos e unhas enviar em placas de Petri ou em frascos bem vedados e sob temperatura ambiente.

- Esperma: em frasco estéril, refrigerado entre 2 e 8ºC o mais rápido possível.

- Secreções em geral: em meio de transporte Stuart, até 2 dias em temperatura ambiente.

- Escarro: frasco estéril.

- Demais amostras: enviar em salina estéril ou no meio de transporte Stuart ou em frasco estéril.

- Todas as amostras devem ser enviadas em frasco estéril. Amostras enviadas nos tubos de transporte de material biológico serão rejeitadas.

CRITÉRIOS DE REJEIÇÃO

- Amostras já inoculadas em meio Sabouraud.

- Amostras enviadas de forma inadequada, frasco contendo instrumentos perfurocortantes, estarão sujeitas a não realização do exame.

- Próteses mamárias de silicone.

COMENTÁRIOS

Utilizada no diagnóstico das infecções em diversos materiais clínicos com identificação do agente causal. Os passos mais importantes para o sucesso do isolamento dos agentes etiológicos das micoses são a coleta adequada, o rápido transporte das amostras ao laboratório, seu pronto e adequado processamento e a inoculação nos meios apropriados.

PALAVRAS CHAVES

Monília Leveduras Cultura para Candida albicans

ÁREA

- MICROBIOLOGIA

CONDIÇÕES

- Secreção vaginal, secreção de orofaringe, secreção endocervical, secreção uretral, fezes, urina 1º jato e de jato médio, esperma, pele, unha e etc.

VOLUME RECOMENDÁVEL

- Esperma: todo o volume coletado.

- Lavado brônquico e outros líquidos corporais: 5 a 10 mL.

- Líquor: acima de 1 mL.

- Urina jato médio:10 mL

- Urina 1º jato: Colher os primeiros 10 mL da micção.

INSTRUÇÕES

- Não fazemos coleta endocervical em grávidas. Encaminhar a paciente para coleta no consultório médico.

- Nos casos de coletas de secreção genital feminina interna (vagina, fundo de saco vaginal, colo uterino, canal endocervical ), pode-se urinar e tomar banho.

- Não tomar banho quando a coleta for em genitália externa (secreção vulvar por exemplo) ou em caso de crianças.

- Não estar em uso de antifúngico (tópico: aguardar 15 dias e oral aguardar 30 dias ou conforme orientação médica).

- Coleta uretral: Vir para a coleta, preferencialmente pela manhã sem urinar, ou estar sem urinar há pelo menos 4 horas.


- No período anterior à coleta não se pode:

- Fazer uso de antissépticos ou medicações tópicas.

- Manter relações sexuais nas últimas 24 horas.

- Estar menstruada (aguardar 48 horas após o término).

- Usar ducha ginecológica e ter usado iodo no local. Se usou iodo para colher citologia, aguardar 72 horas.


- Pele, pelos e unhas:

- Não estar em uso de antifúngico (tópico: aguardar 15 dias e oral aguardar 30 dias ou conforme orientação médica).

- Pomadas e cremes comuns (lavar e realizar a coleta no dia seguinte).

- Esmalte (retirar e voltar após no mínimo 72 horas para a coleta).

- Unha com limpeza em manicure e pedicure (aguardar 15 dias).

- Não tomar banho no dia da coleta.

- Não lavar o couro cabeludo e região da barba no dia da coleta.

- Sempre que possível orientar o paciente a lavar e secar os pés no dia anterior à coleta e ir ao laboratório com calçado fechado.

- Sempre que possível, informar a suspeita médica para direcionar melhor a pesquisa.


- Esperma:

- Realização da Coleta:

- Nas dependências do laboratório ou em casa.

- Não realizamos coleta aos domingos e feriados.

- Não necessita de abstenção / abstinência de ejaculação.

- A forma de coleta do material é por masturbação, sem que haja perda do material, diretamente no frasco estéril, não utilizar preservativos ou coito interrompido, lavar mãos e genitália antes da coleta. Não utilizar qualquer tipo de lubrificante, nem mesmo saliva ou preservativos.

OUTROS LABORATÓRIOS

- No caso de amostras de secreção vaginal, secreção de orofaringe, secreção endocervical, secreção uretral, fezes, escarro, urina 1º jato, urina jato médio e esperma, mesmo que a solicitação médica seja de cultura para fungos, o exame a ser realizado é a cultura para Cândida.

- Este exame é específico para identificação de Candida albicans, para as cândidas não albicans nem sempre é possível identificar a espécie, e neste caso será liberado como Candida sp.

COLETA

- Não enviar dentro do frasco de coleta os instrumentos perfurocortantes tais como bisturis ou agulhas utilizados durante a coleta. Amostras enviadas de forma inadequada estarão sujeitas a não realização do exame.

- Se houver dúvidas quanto ao local do corpo a colher a lesão, consultar o mnemônico informativo no Help de exames "Locais de coleta externa."


- Secreção vaginal, uretral e outras:

- Colher, o máximo de material possível, com swab e colocar no meio de transporte Stuart. Nos casos de secreção uretral em que o material for escasso, recomenda-se que se colha também o 1º jato urinário.


- Urina 1º jato:

- Fazer higienização adequada e colher a amostra em frasco estéril.

- Urina de 24 horas e urina colhida da bolsa do catéter não são adequadas.


- Pele:

- Lesões secas e descamativas: Raspar delicadamente nas bordas das lesões, com o auxílio de um bisturi e recolher o material em placa de Petri. Se as bordas não estiverem bem definidas, raspar toda a lesão.

- Raspar as lesões mais recentes quando estas forem múltiplas. Procurar obter o máximo de material possível. - - Nas lesões não descamativas: raspar as lesões com um bisturi para soltar as escamas da pele e em seguida, passar um swab umedecido em salina nas lesões previamente raspadas, lavando o swab no frasco de salina até a formação de uma suspensão. Neste caso, encaminhar somente a salina.

- Nas lesões suspeitas de ptiríase versicolor (lesões esbranquiçadas): colher o raspado das lesões em placa de Petri e também utilizar o método da fita adesiva.

- Lesões vesiculosas: obter fragmentos de vesículas através do uso de bisturi e colocá-los em placa de Petri, juntamente com o raspado (lesões comuns na região plantar). Notando a presença de grânulos, colha-os em salina estéril, juntamente com a secreção purulenta.


- Pêlos:

- Colher os pêlos com auxílio de uma pinça preferencialmente das bordas das lesões. Procurar retirar os pêlos tonsurados de morfologia alterada juntamente com a raiz. Raspar também as áreas descamativas do couro cabeludo, principalmente nas bordas das lesões (área de alopécia) e colocar junto com os pêlos na placa de Petri.


- Unhas:

- Realizar assepsia com álcool 70% nas unhas dos pés (somente nas unhas dos pés).

- Lesões subungueais: Com o auxílio de uma cureta, realizar um raspado da placa subungueal afetada, da borda da unha até a região mais interna, coletando as escamas mais profundas.

- Deve-se raspar até a região limite entre a parte da unha saudável e a parte acometida, recolhendo o material em placa de Petri.

- Lesões supra-ungueais: Raspar com bisturi a placa esbranquiçada aderida na superfície da unha e recolher o material em placa de Petri.

- As unhas distróficas (formas alteradas) podem ser retiradas com auxílio de alicate (cortar a unha somente quando estiver distrófica).

- Em caso de paroníquia (inflamação na região da cutícula) colher as escamas da prega peri- ungueal e se possível pressionar as bordas ungueais, colhendo o material purulento presente entre a prega subcutânea e a unha em salina estéril.


- Secreção de orofaringe:

- Colher, preferencialmente, antes do desjejum e da higiene oral. Usando foco de luz, abaixar a língua do paciente. Introduzir o swab diretamente na área da coleta , evitando tocá-lo em outras partes da boca. Inserir swab no meio de transporte Stuart e enviar em temperatura ambiente por no máximo 48h.

CONSERVAÇÃO

- Secreções: em meio de transporte Stuart, até 2 dias em temperatura ambiente.

- No caso de pêlo, pele e unhas, enviar em placas de Petri em temperatura ambiente.

- Urina: até 2 dias refrigerado entre 2 e 8 ºC.

- Fezes: em meio Cary Blair, em temperatura ambiente, por até 48 H.

- Líquor: em tubo estéril, até 1 dia em temperatura ambiente.

- Outros líquidos corporais (sinovial, pleural, ascítico, peritoneal, pericárdico): em tubo estéril, até 1 dia refrigerado entre 2 e 8 ºC.

- Aspirado traqueal, lavado brônquico, mini BAL: até 1 dia, refrigerado entre 2 e 8ºC.

- Esperma: em frasco estéril, até 2 dias refrigerado entre 2 e 8 ºC.

- Todas as amostras devem ser enviadas em frasco estéril. Amostras enviadas nos tubos de transporte de material biológico serão rejeitadas.

CRITÉRIOS DE REJEIÇÃO

- Amostras enviadas de forma inadequada, frasco contendo instrumentos perfurocortantes, estarão sujeitas a não realização do exame.

PALAVRAS CHAVES

- Pesquisa de Hb nas fezes

- Sangue oculto imunocromatografico

- Anticorpo monoclonal anti - Hb humana

- Imunoquimico nas fezes

- Anticorpo monoclonal anti hemoglobina humana

- Sangue oculto nas fezes

ÁREA

- COPROLOGIA

CONDIÇÕES

- Fezes recente a fresco.

VOLUME RECOMENDÁVEL

- Aproximadamente metade do frasco de fezes (frasco próprio).

CONSERVAÇÃO

- Até 2 horas a temperatura ambiente, após este período refrigerar.

- Até 3 dias refrigerado entre 2 e 8°C.

INTERFERENTES

- Aumento do trânsito intestinal embora fezes diarréicas não interfiram no exame.

- Sangramento menstrual ou de hemorróidas.

- Sangramento gengival.

- Bebidas alcoólicas.

- Contaminação das fezes com urina.

- Uso de alguns medicamentos ( descritos no campo instrução).

INSTRUÇÕES

- Antes de coletar as fezes, se necessário, urinar no vaso sanitário para evitar a contaminação do material. Em casos de crianças utilizar coletor de urina, se necessário.

- Evitar o uso de laxantes, contraste oral ( utilizado em exames radiológicos) e supositórios nos 3 dias que antecedem ao exame e no dia da coleta.

- Defecar em vasilhame limpo e seco.

- Não colher durante o período menstrual ou quando houver hemorróidas sangrantes. Aguardar no mínimo 48 horas após o sangramento ter cessado.

- É recomendado não ingerir bebida alcoólica nos três dias que antecedem ao teste.

- Verificar medicamentos em uso: Medicamentos que podem causar sangramento gastrointestinal e devem ter o seu uso suspenso 3 dias antes da coleta ou conforme orientação médica (o medicamento só pode ser suspenso após orientação médica): aspirina, AAS, anti- inflamatórios não esteroide (ex.: diclofenaco), anticoagulantes, colchicina, reserpina, vitamina C, iodo, sulfato ferroso, contraste radiológico.

CONSERVAÇÃO

- Ate 2 horas a temperatura ambiente, após este período refrigerar.

- Ate 3 dias refrigerado entre 2 e 8 ºC.

CRITÉRIOS DE REJEIÇÃO

- Amostra contaminada por urina.

- Amostra colhida com conservante.

COMENTÁRIOS

O sangue oculto nas fezes é definido como a presença de sangue nas fezes que requer testes bioquímicos para sua detecção. Pode ser derivado do trato gastrintestinal alto, bem como do intestino delgado e do colon. É utilizado como método de triagem do carcinoma coloretal embora apresente sensibilidade baixa. O uso de anticorpo monoclonal específico para hemoglobina humana apresenta vantagens: elimina necessidade de dieta especial; não há reação cruzada com hemoglobina de outros animais; não ha efeito prozona. Uso de bebidas alcoólicas e medicamentos anti-inflamatórios devem ser suspendidos idealmente 3 dias antes da coleta ou conforme orientação médica.